Simulação de Organizações Internacionais para o Ensino Médio
  • Nova página na internet !

    Publicado em 10/06/2011 às 1:02

    Acompanhe nossa nova página na internet, agora melhor ! Clique para ser redirecionado.


  • SIEM UFSC 2011

    Publicado em 02/05/2011 às 12:26

    Abaixo, partes de um feedback sobre o Projeto SIEM UFSC 2011, enviado pelo Professor Luari, responsável pelo Colégio Autonomia.

    “Gostaria de fazer uma avaliação oficial do projeto de relações internacionais que ocorreu neste último domingo pela sua instituição de ensino superior.
    Se por um lado, no período que antecedeu o dia da reunião da ONU, encontramos várias dificuldades por conta dos prazos reduzidos para organizar os alunos, os textos, os referenciais teóricos dos países, etc., por outro não poderia deixar de salientar que todas as atividades do sábado, transcorreram na mais perfeita execução.

    Não identificamos nenhum problema. Nada. Simplesmente perfeito.

    Os alunos foram muito bem recebidos, tratados, valorizados por uma organização que os elevou de Educacandos de Ensino Médio a diplomatas experientes e com preponderante papel no cenário internacional.

    Todo o teatro montado fez com que os alunos encorporassem a função de diplomatas. A marcação do tempo. As regras. As votações. Seus nomes pronto em um crachá. O nome do seus países com seus lugares reservados, tudo favoreceu para que eles encarnassem o personagem.

    O mais otimista dos otimistas não esperaria um dia tão perfeito.

    O resultado de tanto empenho e preparação refletiu-se na postura dos educandos que ficaram até o último minuto de cada reunião motivados, propondo, votando, contrapondo, revoltando-se, atuando para construir uma alternativa diplomática para as questões distutidas.

    Não houve esvaziamento das reuniões na parte da tarde e eu saí da reunião final da Assembléia Geral da ONU por volta das 6:00 h. De quebra, nesta reunião, vimos uma maiúscula vitória da Diplomata venezuelana (Olívia – Autonomia) sobre os Estados Unidos na questão iraniana pelo placar de 20 a 2 (+2 abstenções), com uma correria para fazer uma série de alianças que partiu da referida aluna com objetivo firme e perspicaz de vencer a votação.

    Um dado que chamou atenção é que no decorrer do dia, os diplomatas foram transformando suas posições, pois iniciaram com o posicionamento real de seus países, mas deixaram seus referenciais éticos e morais assumir o comando de suas decisões na parte da tarde.

    Isto refletiu-se na vitória da Venezuela sobre os Estados Unidos no Assembléia Geral.

    As propostas eram as seguintes:

    1- Estados Unidos – Sanções imediatas ao Irã pelo seu projeto energético.
    2- França – Inspeções regulares ao Irã por parte da AIEA, que segundo eles era neutra.
    3- Venezuela – Com base na parcialidade dos relatórios do Iraque (manipulados pela Inglaterra), a aluna articulou com o Uruguai e o Irã a seguinte resolução: Criação de uma comissão permanente de inspeção ao Irã por parte dos seguintes países:
    VENEUELA – Por ser a favor do projeto iraniano;
    EUA – Por ser contra (aqui a diplomata Olívia sacou que a inclusão dos Estados Unidos seria o elemento que cooptaria a maior parte de sua base de alianças);
    URUGUAI – Pela histórica postura de neutralidade em questões internacionais;
    EGITO – Pelo peso que tem junto ao mundo árabe.

    Antes de colocar a proposta, a aluna correu para conversar com o delegado iraniano para saber se ele bancaria a permissão das inspeções, caso fosse aprovada.

    Voltou radiante como se tivesse feito um gol e me disse que ganhou as garantias diplomáticas do delegado iraniano para tal.

    Foi procurada pelo delegado japonês que afirmou que só votaria na resolução se ele, por representar um país com vasta experiêcnia em questões nucleares, fosse incluido no grupo. Me preguntou o que eu achava. Devolvi a pergunta: – Acho que o Japão pode conseguir mais aliados, respondeu. Então faz a aliança, repliquei.

    Foi procurada pelo delegado austríaco, também com a mesma argumentação. Me perguntou. Fiz o mesmo, devolvendo a pergunta. A Áustria representaria a neutralidade, já ocupada pelo Uruguai, afirmou. Não vou romper com o Uruguai que me cedeu o tempo para explicar tudo isto. Então, perguntei o que ela ia fazer.

    Não aceito a Áustria, pois pode pesar para o lado europeu como a Inglaterra na questão iraniana.

    E assim foi feito.

    Resultado.

    EUA e suas sanções – 8 contra, 8 favor e 8 abstenções.

    FRANÇA  e a inspeção da AIEA – Não recordo o placar, mas foi mais abstenções que a favor.

    VENEZUELA e sua comissão alternativa com inclusão estratégica dos EUA, URU, EGI e JAP – 2 contra, 2 abstenções e incrível 20 votos a favor (incluindo o voto dos Estados Unidos).

    Enfim, que aula de articulação, diplomacia, coerência.

    Nós professores e os alunos das R.I. nos olhávamos enquanto tudo isso acontecia e ríamos discretamente pelo destaque da aluna e a coerência de sua proposta de resolução.

    Gostaria também de resaltar que todas as escolas se sairam muito bem, com destaque para as delegações seguintes delegações:

    Venezuela – Capacidade de articulação;
    Irã – Pela capacidade de se defender das acusçaões e revertê-las, ressaltando as contradições do discurso de acusação ao seu país;
    Egito – postura em defesa do mundo árabe com muita eloquência;
    Uruguai – porque se destacou em todas as reuniões de agências ou de blocos tendo uma participação ativa e constante contra a guerra e as sanções, propondo questões diplomáticas;
    EUA – pela postura firme durante todo o dia, sem abandonar a difícil posição de ser atacado permanentemente e contunuar atacando (diplomaticamente falando, é claro);

    Para concluir, muito obrigado pela oportunidade de, em parceria, fazermos nossos educandos (todas escolas) adquirirem uma nova percepção do papel da diplomacia, da negociação, da articulação, da iniciativa, e de quebra discutir temas de vultuosa importância para o futuro da humanidade.

    Vocês, com certeza, tinham seus objetivos enquanto instituição de ensino superior. Nós, com nossos objetivos de escola, como construir competências e habilidades importantes para a execução de cidadania nacional e mundial, alcançamos plenamente e, de quebra, qualificamos o debate sobre as questões contemporâneas em nossas turmas.

    Muito obrigado a UFSC e todos os alunos e professores que nos possibilitaram uma a atividade mais produtiva do ponto de vista metodológico, didático e conceitual de minha carreira. É com este tipo de iniciativa que construimos um país com maior e melhor estrutura republicana, democrática e de direito.

    Parabéns.

    Este texto não é oficial da Escola Autonomia, mas de um dos vários profissionais envovolvidos.
    Professor Luari Dias Júnior
    História – Escola Autonomia”


  • Cronômetro

    Publicado em 29/04/2011 às 13:51

    Cronômetro SIEM 2011 !


  • Horários do SIEM 2011 ! SIEM 2011 Schedule !

    Publicado em 13/04/2011 às 11:19

    Horários SIEM 2011.


  • GUIAS SIEM 2011 ! 2011 STUDY GUIDES !

    Publicado em 28/03/2011 às 22:04

    Baixe agora o  Guia SIEM 2011  !


  • SIEM no FacebookSIEM on Facebook

    Publicado em 15/11/2010 às 13:51

    O SIEM agora está no Facebook! Acesse!


  • Lista de Países de 2011The 2011 List of Countries

    Publicado em 06/10/2010 às 21:42

    Estão prontas para download as listas dos países do SIEM 2011!

    Países por organização

    Países por Escola


  • ReuniõesMeetings

    Publicado em 21/09/2010 às 16:45

    As reuniões do SIEM ocorrem todas as quartas-feiras às 18h00 no Miniauditório do CNM (Economia) no CSE na UFSC.

    Todos são bem-vindos!


  • SIEMInternational Organizations Model for High School – SIEM

    Publicado em 02/09/2010 às 22:26

    Bem-vindos ao website do SIEM
    Clique em Sobre o Projeto para conhecê-lo.
    Welcome to the SIEM Project.

    Click on “About the Project” to know more about it.